Catorze anos após receber aval, cientistas começaram a montar uma máquina gigante no sul de França, projetada para demonstrar que a fusão nuclear, o processo que alimenta o Sol, pode ser uma fonte de energia viável e segura na Terra.

A inovadora experiência multinacional, conhecida como Reator Experimental Termonuclear Internacional (ITER), tem recebido componentes, que chegarem à pequena cidade de Saint-Paul-les-Durance a partir de locais de produção em todo o mundo nos últimos meses.

Agora, de acordo com a Agência France-Press, os componentes vão ser cuidadosamente reunidos para completar o que é descrito pelo ITER como o “maior puzzle do mundo”.

Cerca de 2.300 pessoas estão a trabalhar no local para montar a enorme máquina.

“Construir a máquina peça por peça será como montar um quebra-cabeça tridimensional numa intrincada linha do tempo”, disse o diretor geral do ITER, Bernard Bigot. “Todos os aspetos da gestão de projetos, engenharia de sistemas, gestão de riscos e logística da montagem da máquina devem funcionar em conjunto com a precisão de um relógio suíço. Temos um roteiro complicado a seguir nos próximos anos”.

O projeto ITER foi lançado em 2006 por 35 países, incluindo os Estados Unidos, Rússia, China, Grã-Bretanha, Suíça, índia, Japão, Coreia do Sul e os 27 estados-membros da União Europeia.

O objetivo da central experimental é demonstrar que o poder de fusão pode ser gerado de forma sustentável e segura em escala comercial, com as experiências iniciais programadas para começar em dezembro de 2025.

A fusão alimenta o Sol e outras estrelas quando os núcleos atómicos da luz se fundem para formar núcleos mais pesados, libertando enormes quantidades de energia ao fazê-lo. O desafio é construir uma máquina que possa aproveitar essa energia que deve ser mantida no reservatório do reator e controlada por um campo magnético imensamente forte.

A tecnologia garante “energia limpa, sem carbono, segura e praticamente sem desperdício”, disse Emmanuel Macron, presidente francês, que há muito tempo defende a energia nuclear na luta global contra as mudanças climáticas causada pelos gases de efeito estufa produzidos pela queima de carvão, petróleo e gás natural.

A fusão é segura, com quantidades mínimas de combustível e sem possibilidade física de uma fuga acidental e colapso, como ocorre nas centrais nucleares tradicionais. Além disso, o combustível para a fusão e o lítio para ajudar a gerir a reação é encontrado no mar e é suficientemente abundante para abastecer a humanidade durante milhões de anos.

O reator de fusão nuclear “Tokamak” incluirá cerca de um milhão de componentes, como imensos supercondutores extremamente poderosos, tão altos como um prédio de quatro andares e cada um com 360 toneladas.

O reator deverá recriar os processos de fusão que ocorrem no coração das estrelas, a uma temperatura de cerca de 150 milhões de graus Celsius, 10 vezes mais quente do que o Sol.

O ITER deverá produzir cerca de 500 megawatts de energia térmica, equivalente a cerca de 200 megawatts de energia elétrica se operada continuamente, suficiente para abastecer cerca de 200 mil residências.

Se a tecnologia se mostrar viável, os futuros reatores de fusão poderão alimentar dois milhões de residências cada um a um custo operacional comparável ao dos reatores nucleares convencionais.

Por outro lado, estes “sóis artificiais” são criticados pelos ambientalistas como uma miragem científica incrivelmente cara.

O projeto ITER está atrasado cinco anos e o seu orçamento inicial triplicou para cerca de 20 mil milhões de euros.


DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

twenty − 7 =

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.