Massimo Percossi / EPA

Os anticorpos que o corpo humano produz para combater o novo coronavírus duram pelo menos quatro meses depois do diagnóstico e não desaparecem rapidamente, ao contrário do que apontavam alguns estudos iniciais, segundo uma descoberta científica.

Um relato, divulgado na terça-feira, de testes a mais de 30 mil pessoas na Islândia, é o trabalho mais extenso já feito sobre a resposta do sistema imunitário ao novo coronavírus e constitui uma boa notícia para os esforços de desenvolver uma vacina, informou esta quarta-feira a agência Lusa.

Se uma vacina puder estimular a produção de anticorpos duradouros, como as infeções naturais fazem, vai dar esperança que “a imunidade para este imprevisível e muito contagioso vírus possa não ser efémera”, escreveram peritos independentes da Universidade de Harvard e dos Institutos de Saúde dos Estados Unidos, em comentário publicado com o estudo na New England Journal of Medicine.

Um dos grandes mistérios da pandemia é saber se ter tido o coronavírus ajuda a proteger contra futuras infeções e por quanto tempo. Alguns estudos, com uma dimensão mais reduzida, sugerem que os anticorpos desaparecem rapidamente e que algumas pessoas, com poucos ou nenhuns sintomas, podem não produzir muitos.

O novo estudo foi feito pela empresa deCODE Genetics, baseada em Reiquiavique, uma subsidiária da biotecnológica norte-americana Amgen, com uma forte presença hospitalar, universitária e nos agentes de saúde na Islândia.


DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

14 − ten =

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.