Início Notícias ENTREVISTA EXCLUSIVA: Gonçalo Rocha nega acusação de “executivo de maquetes”

ENTREVISTA EXCLUSIVA: Gonçalo Rocha nega acusação de “executivo de maquetes”

COMPARTILHAR
Presidente da CM Castelo de Paiva; Gonçalo Rocha

O jornal Paivense foi até à Câmara Municipal a fim de realizar uma entrevista exclusiva com o atual autarca Gonçalo Rocha. O edil revelou pormenores sobre os projetos já em curso como forma de provar que o atual executivo não se cinge apenas a “maquetes”.

A reabilitação da zona do Cais do Castelo

Foram muitos os impedimentos, quer por entidades, quer por restrições financeiras que a autarquia atravessou. O projeto já há muito “estava em cima da mesa, mas só agora foi possível executa-lo”, referiu o presidente da Câmara.

O projeto que prevê a melhoria da frente ribeirinha já está em curso. As máquinas já se movem no local, e a previsão aponta que tudo esteja pronto até ao verão.

A intervenção está a ser levada a cabo através de fundos próprios da APDL que pretende reabilitar a zona. “Este era um desejo ansiado há muito tempo, quer por nós, quer pela população local”, referiu.

Presidente da CM Castelo de Paiva; Gonçalo Rocha

O autarca salienta a beleza natural do local que é “na época balnear muito atrativo, quer para a região, quer para os turistas e, por isso, merece ser melhorado”.

No entanto, o presidente referiu que esta é uma estratégia “que vai mais além do que o Cais do Castelo”. Com isto, o presidente da Câmara, Gonçalo Rocha, frisou a intervenção no cais de Midões, e posteriormente em Santa Maria de Sardoura.

Porém, o edil não consegue referir-se a todos estes projetos sem salientar o “grande esforço económico que a autarquia está a fazer”. Dá o exemplo do caso da intervenção já em curso no Choupal, onde as obras avançam “a bom ritmo” com dinheiro proveniente da autarquia, ao contrário do Cais do Castelo.

“O esforço tem que ser feito porque esta zona de Pedorido, nomeadamente o Choupal, possui um enorme potencial e com os novos espaços que se estão a desenvolver tornam-se motivo de orgulho e atração turística”, reforça Gonçalo Rocha.

A criação dos Caminhos Pedestres “ Viver o Payva D’Ouro “ representa um investimento de 274,695 euros, que, numa primeira fase, se estende do Choupal (Pedorido) à Estação e, numa segunda fase, a intervenção vai até ao centro de Santa Maria de Sardoura.

Passadiço de Arouca? Um exemplo a seguir e a concretizar em Castelo de Paiva

Maquete Passadiços de Castelo de Paiva; fonte: CM Castelo de Paiva

Falar em Pedorido obrigou o presidente da Câmara a falar daquilo a que este espaço permitirá despoletar: a natureza local convida, segundo a mesma fonte, à criação de um percurso pedonal com passadiço, à semelhança do concelho vizinho.

“Muitas pessoas falam de maquetes e do tempo que se está a demorar a concretizar os nossos passadiços. O que muita gente se esquece, ou não sabe, é que Arouca demorou 10 anos a implementar o projeto dos Passadiços do Paiva”

A ideia da autarquia para os passadiços é a seguinte:

Criar um percurso que inicie em Pedorido e na zona central de Sardoura, estendendo-se até Fornos, local onde o percurso encontrará o rio Paiva. Toda esta linha é possuidora de “grande qualidade natural, de belas paisagens, de boa qualidade de fauna e flora e, por isso, quem por lá caminhar vai ter o Douro a seus pés”.

Será um espaço sobre o rio, entre a vasta vegetação “agora pintada de tons cinzentos, mas que com o tempo voltará a cobrir-se do verde tão caraterístico das terras paivenses”. Serão vários os miradouros. O projeto prevê um extenção de 14 quilómetros, onde a paragem obrigatória será a aldeia de xisto de Gondarém.

Gondarém; Fonte: site oficial Montanhas Mágicas

“Quem cá vem já fica deslumbrado com as paisagens do nosso território, com os hotéis da região, com a nossa gastronomia. Esta será uma das formas de valorizar, de atrair não só turistas, mas também proporcionar momentos de lazer aos próprios habitantes”, contou Gonçalo Rocha.

O autarca que soma agora o seu terceiro mandato, salientou ainda que todo este trabalho só está a ser implementado graças ao esforço, não só da autarquia, como também das juntas de freguesia, da APDL, do Turismo Porto e Norte de Portugal, do SOS Rio Paiva e ainda da Quercus.

“O caminho faz-se caminhando”

O edil lançou um desafio a todos os paivenses, ou seja, que os atores para o desenvolvimento turístico e económico não se cinja à autarquia. “Não devem ficar só as entidades públicas dêm o passo, é preciso investimento também da área privada”, concluiu o presidente Gonçalo Rocha.

Saiba mais novidades do seu município na segunda parte da nossa reportagem, brevemente disponível no seu jornal digital.

Para não perder, siga-nos através da nossa rede social de Facebook (Paivense) ou do nosso site noticioso em www.paivense.pt

 

2 COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

6 − two =

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.