De acordo com a DGS, existiam até domingo sete pessoas com a doença, sendo que, ao longo do surto, foram confirmados 105 casos, 15 dos quais (14%) em pessoas não vacinadas e 10 tinham esquema vacinal incompleto.

Dos casos confirmados, 85 (81%) são profissionais de saúde. A DGS acrescenta que apenas um doente se mantém internado e que há ainda 24 casos em investigação.

O vírus do sarampo é transmitido por contacto direto com as gotículas infecciosas ou por propagação no ar quando a pessoa infetada tosse ou espirra. Os doentes são considerados contagiosos desde quatro dias antes até quatro dias depois do aparecimento da erupção cutânea.

Segundo a DGS, “os sintomas de sarampo aparecem geralmente entre 10 a 12 dias depois da pessoa ser infetada e começam habitualmente com febre, erupção cutânea (progride da cabeça para o tronco e para as extremidades inferiores), tosse, conjuntivite e corrimento nasal”.

Existe vacina contra o sarampo no Programa Nacional de Vacinação, que deve ser administrada aos 12 meses e 5 anos de idade.

As pessoas com esquema vacinal completo podem contrair a doença, mas de forma leve e não são veículo de transmissão, segundo as autoridades de saúde. Quem já teve sarampo está imunizado e não voltará a ter a doença.

Lusa

Fonte: SIC

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

13 − six =

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.