Início Castelo de Paiva Depressão Elsa deixa rastro de destruição em vários concelhos do Norte

Depressão Elsa deixa rastro de destruição em vários concelhos do Norte

Vem ai a depressão Fabien, que promete ventos de até 120km/h e mais chuvas e agravamento das condições meteorológicas.

A pior parte da tempestade pode já ter passado, mas ainda há mais tempestade a caminho. Os efeitos da depressão Elsa ainda serão sentidos hoje, sexta-feira e amanhã no sábado, quando chega uma nova depressão, o Fabien, que trará, segundo o modelo de previsão europeu, mais períodos de chuva intensa e fortes rajadas de vento.

Foram registadas 6.237 ocorrências desde quarta-feira em todo o país, segundo o comandante Paulo Santos, da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC), como quedas de árvores, movimentos de terras, inundações e quedas de estruturas.

Os distritos do Porto e Viseu foram os mais afetados pelo temporal provocado pela passagem da depressão Elsa. Concelhos como Penafiel, Marco de Canaveses, Castelo de Paiva, Cinfães e Castro Daire apresentaram diversos problemas com interrupção do abastecimento de energia elétrica, alguns ainda não resolvidos.

Mapa das maiores ocorrências causadas pela depressão Elsa

Em Nespereira, concelho de Cinfães, moradores relataram que ficaram sem luz até a manhã de hoje, sexta feira. Em Bairros, no concelho de Castelo de Paiva a situação foi semelhante. Em Penafiel, nas freguesias de Boelhe, Rans e Irivo moradores relataram ficar por horas sem luz. Os estragos causados pela depressão Elsa na rede elétrica da EDP Distribuição deixaram pelo menos 157 linhas de alta e média tensão fora de serviço, informou a empresa.

No Norte do país registaram-se centenas de ocorrências. Uma árvore caiu sobre duas habitações em Santo Tirso, fazendo sete desalojados, e a queda de outra árvore  causou a avaria de uma catenária e a interrupção na circulação do metro do Porto, em Gondomar. Aliás, pelos mesmos motivos, houve limitações na circulação da linha Norte.

Em Castelo de Paiva, após o mau tempo, o caudal do Rio Arda subiu e cobriu a estrada junto ao rio e preocupou habitantes das zonas ribeirinhas.

Para além das quedas de árvores, foram vários os telhados levados pelo vento e muitos dos rios a transbordar com o imenso volume de chuvas. O Tâmega, que galgou as duas margens na localidade de Chaves. Habitações e zonas comerciais ficaram inundadas. Outros cinco rios da região transbordaram: a bacia do Lima, do Douro, do Paiva, do Pinhão e do Tua.

Foto: Carlos Alberto Oliveira

O rio Douro galgou as margens no Pinhão, concelho de Alijó, distrito de Vila Real, e entrou em quatro bares da zona ribeirinha, disse à agência Lusa o comandante dos bombeiros voluntários. Carlos Pereira referiu que o “rio transbordou as margens e, pelo menos, quatro bares já estão com água”.

O rio Douro galgou, esta sexta-feira, as margens e inundou zonas ribeirinhas de Vila Nova de Gaia e do Porto, segundo fonte dos Bombeiros e da Polícia Marítima. Uma subida excessiva do nível da água” do rio Douro, que está alagar “zonas pedonais” do Porto e Gaia, desde as 5h30

Foto: Carlos Alberto Oliveira

Em Castro Daire, distrito de Viseu, houve o desabamento de uma casa esta quinta-feira em Codeçais, que provocou a morte a um homem que estava no interior da habitação. Há ainda no mesmo concelho o condutor de uma retroescavadora que está desaparecido e foi visto pela última vez no local onde ocorreu um aluimento de terras cerca das 21h30 de quinta-feira.

Em Arouca, no lugar de Espiunca, o Rio Paiva subiu a níveis alarmantes e inundou comércios locais, trazendo consigo prejuízos e encerrando a EN225.

Foto: Carlos Alberto Oliveira

Na Maia, distrito do Porto, dezenas de automóveis ficaram debaixo d’água próximo à estação de metro Parque Maia pelas 19h de quinta feira.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

eleven + nine =

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.