Início País Terrorismo. PSP reforça presença nas ruas com agentes encobertos e metralhadoras

Terrorismo. PSP reforça presença nas ruas com agentes encobertos e metralhadoras

COMPARTILHAR

O grau de ameaça terrorista em Portugal mantém-se moderado, mas durante os próximos dias vai haver reforço de segurança nas ruas portuguesas.

Na sequência do atentado em Estrasburgo, cujo atirador foi abatido pelas autoridades durante a noite de quinta-feira, vários países europeus reforçaram os níveis de segurança e Portugal não é exceção. Haverá agentes encobertos nas ruas e ouriços com picos de aço para evitar atropelamentos em massa.

De acordo com a notícia avançada pelo Diário de Notícias, a PSP quer garantir que a perceção de segurança entre os cidadãos se mantém inalterada e, por isso mesmo, haverá um aumento visível do patrulhamento das ruas de várias cidades, com o objetivo de “prevenir atos de caráter terrorista, bem como outra criminalidade grave e violenta”.

Mas haverá mais. Já a partir desta sexta-feira e até ao primeiro dia de 2019, no âmbito da operação “Polícia sempre Presente: Festas Seguras 2018-2019”, haverá também agentes encobertos entre a multidão.

“São operacionais à civil, dissimulados nas multidões, atentos a qualquer suspeita, com especial preparação em close combat, técnicas de dissimulação e cobertura, e profiling, assente na doutrina israelita”, avançou uma fonte da PSP, citado pelo Observador.

Estes agentes das Equipas de Reação Tática Encoberta (ERTE) serão distribuídos pelos pontos considerados mais sensíveis, acompanhados por elementos do Grupo de Operações Especiais (GOE), com carros descaracterizados que patrulham e reagem de imediato em caso de ameaça.

Haverá ainda operacionais do Corpo de Intervenção da Unidade Especial de Polícia distribuídos por locais como aeroportos, terminais de transportes ou áreas com mais pessoas, armados com pistolas-metralhadoras MP5.

Tal como aconteceu no festival da Eurovisão e na Web Summit, a PSP vai colocar em alguns perímetros onde haja maior fluxo de pessoas, os chamados “ouriços” — bolas de metal com picos de aço — para evitar atentados com recurso a viaturas para atropelamentos em massa.

Apesar do reforço de segurança, o gabinete da secretária-geral do Sistema de Segurança Interna (SSI) garantiu que “Portugal não alterou o grau de ameaça, mantendo-se no grau moderado”.

Em setembro de 2017 – na sequência dos atentados em Barcelona e Cambrils, o Ministério da Administração Interna (MAI) prometeu estender a mais cidades algumas “medidas passivas” de prevenção de atentados que foram introduzidas em Lisboa, como pilaretes, floreiras ou iluminação especial em pontos com maior afluência turística ou de residentes.

Fonte: ZAP

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

4 + 19 =

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.