Início País Condenado do Face Oculta fica em liberdade por não ter lugar em...

Condenado do Face Oculta fica em liberdade por não ter lugar em prisão VIP

COMPARTILHAR

Mário Cruz / Lusa

O ex-funcionário da Refer Manuel Guiomar apresentou-se na prisão de Évora para cumprir pena no âmbito do processo Face Oculta, mas foi embora em liberdade porque não cumpre os requisitos para ficar no estabelecimento que é reservado a políticos e elementos das forças de segurança.

Manuel Guiomar esteve apenas alguns minutos no Estabelecimento Prisional de Évora, como reporta a TSF, frisando que “foi mandando embora em liberdade” porque “não se inscreve nos requisitos necessários para ser detido nesta cadeia”.

A prisão de Évora destina-se a acolher apenas políticos e elementos de forças de segurança e será aí que o ex-ministro Armando Vara cumprirá a sua pena de cadeia, também no âmbito do Face Oculta.

Foi igualmente em Évora que o ex-primeiro-ministro José Sócrates esteve em prisão preventiva, no âmbito do processo Operação Marquês.

A advogada de Manuel Guiomar, Poliana Ribeiro, explica na TSF que o seu cliente pretendia cumprir a pena a que foi condenado em Évora “não só pelo tipo de processo que se trata, mas também pelo facto de o senhor ter familiares” na zona.

O ex-funcionário da Refer espera, agora, ter vaga para cumprir a sua condenação em Castelo Branco. Manuel Guiomar foi condenado a 6 anos e meio de prisão por um crime de corrupção e quatro crimes de burla.

Armando Vara deve apresentar-se na prisão de Évora nas próximas horas, cumprindo o prazo de três dias que lhe foi dado pela juíza do Tribunal Judicial de Aveiro, Marta de Carvalho, a titular do processo Face Oculta.

O ex-ministro e ex-dirigente da Caixa Geral de Depósitos e do BCP vai apresentar-se nesta quinta-feira, como avançam a CMTV, a SIC e a TVI, para cumprir a pena de cinco anos de prisão a que foi condenado por três crimes de tráfico de influências.

Vara vai, assim, tornar-se no único preso nas cadeias portuguesas por este tipo de crimes, conforme dados enviados ao Público pela Direcção-Geral de Reinserção e Serviços Prisionais (DGRSP).

No âmbito do Face Oculta, foi ainda condenado a 5 anos e nove meses de prisão o ex-funcionário da Petrogal João Manuel Tavares, e o ex-funcionário da Lisnave Manuel Gomes que, depois da prescrição de um dos crimes por que foi condenado, aguarda que seja contabilizado o novo cúmulo jurídico da pena para saber quantos anos de cadeia tem pela frente.

SV, ZAP //

Fonte: ZAP

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

16 + seven =

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.