Logo paivense
Logo paivense

Plano do Governo para o hidrogénio “vai aumentar factura do gás em 20%”

RTP Arquivos

O economista Abel Mateus

O Plano Nacional Energia e Clima (PNEC), onde o Governo reforça a aposta no hidrogénio verde, “vai aumentar a factura do gás em cerca de 20%”. É o economista Abel Mateus quem o antecipa, prevendo também um elevado custo social do encerramento antecipado das centrais a carvão.

Abel Mateus foi um dos signatários do manifesto contra a estratégia do hidrogénio verde e defende que Portugal devia “esperar que se reduzam os custos”, para “se tornarem competitivos”, antes de investir na produção. Caso contrário, “voltamos à mesma história das eólicas”, analisa o economista em entrevista ao Jornal de Negócios.

“Se se fizer já e como o plano nacional para o hidrogénio prevê”, vai trazer custos acrescidos para os consumidores, constata ainda o economista.

“O plano prevê uma primeira fase para injecção no sistema de gás natural, portanto, no fornecimento de gás às nossas casas. A nossa estimativa é que isso vai aumentar a factura do gás em cerca de 20%“, alerta Abel Mateus.

Considerando que o PNEC inclui metas ambiciosas, Abel Mateus refere que “está-se a projectar um aumento da oferta de geração no sistema eléctrico nacional quando há um excesso de oferta neste momento“. “Simplesmente o que o Governo está a fazer é retirar as centrais fósseis”, conclui.

E com esse encerramento antecipado da Central de Sines e de outras, o país pode “desperdiçar cerca de 1,5 mil milhões de euros em capital”, constata o economista.

Abel Mateus realça que estas centrais “têm um valor económico e social pelo facto de ainda poderem produzir e a vantagem de já terem sido amortizadas”.

Na estimativa do economista, com o PNEC em 2030, o valor da factura de electricidade vai decrescer 3% relativamente a 2019 na factura do consumidor, enquanto o custo de produção descerá “à volta de 40% do valor final”.


Fonte: ZAP