Logo paivense
Logo paivense

Poema: Sem adeus

Pirilampos esvoaçam sem cor
Afugentam a doçura do amor
Fazem com que o belo desejo
Morra na eternidade do beijo

Pássaros alvos de asas partidas
Adornam as dolorosas partidas
De quem parte sem um adeus
De quem é chamado pelo Deus

Demência abandonada na terra
Transforma a saudade em fera
A carpidura amargosa não pára
A solidão é assassina sem alma

Paulo Semide – Poeta


  • Espaço livre para publicações de crónicas e poemas. Os textos não são editados nem alterados.
  • A responsabilidade pelo texto aqui redigido é inteiramente do autor e seu envio é registado via assinatura digital. 
  • Tens uma crónica ou um poema? Enviem-nos para info@paivense.pt ou por mensagem em nossa página no Facebook