Logo paivense
Logo paivense

Poema: Vem, apenas vem

Vem, apenas vem

 

Vem quando quiseres, mas vem

Vem de manhã pela aurora

Vem à noite depois do ámen

Vem, eu te espero senhora

Vem prendida à lua cheia

Vem cansada de mais um dia

Vem fresca como a água da ribeira

Vem, eu serei a tua guarida

Vem sem medo de ti, estou aqui

Vem desabrochar no meu mundo

Vem, vem sentir o que eu senti

Vem dá-me um beijo que eu mudo

Vem que eu jurei e nunca menti

Vem sem nada, vem eu te dou tudo

Paulo Semide – Poeta


Em crónicas e poemas – Espaço livre para publicações de crónicas e poemas. Os textos não são editados nem alterados.

Tens uma crónica ou um poema? Enviem-nos para info@paivense.pt ou por mensagem em nossa página no Facebook