Logo paivense
Logo paivense

Rendas devem ficar congeladas em 2021

Segundo os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE), as rendas das casas deverão congelar no próximo ano depois de cinco anos consecutivos a subir.

Este segunda-feira, o Instituto Nacional de Estatística (INE) divulgou a estimativa preliminar do índice de preços do consumidor de agosto. O indicador referente aos últimos 12 meses, sem habitação, foi negativo (-0,03%).

Este valor é usado como referência ao cálculo do limite de atualização das rendas. Como foi negativo, as rendas não deverão subir no próximo ano.

Por outro lado, recorda o Observador, os dados finais só serão divulgados a 10 de setembro, altura em que se saberá  qual será a evolução das rendas.

Este ano, as rendas tinham subido até 0,51%.

A estabilização do valor das rendas acontece depois da subida de 0,51% das rendas registada este ano, do aumento de 1,15% em 2019, o de 1,12% em 2018, 0,54% em 2017 e de 0,16% nas rendas atualizadas em 2016.

Só em 2015 o valor das rendas habitacionais ficaram congeladas. Em 2014, o índice de preços excluindo habitação tinha sido negativo.

Segundo a lei, os valores das rendas devem ser atualizados anualmente, de forma automática, consoante a inflação. O Novo Regime do Arrendamento Urbano (NRAU) determina que o INE apura o coeficiente de atualização, sendo obrigatória a publicação em Diário da República até 30 de outubro. Ficam excluídos os contratos de arrendamento habitacionais que foram feitos antes de 1990 e os não habitacionais firmados antes de 1995, que estejam em processo de transição para o NRAU.


Fonte: ZAP