Logo paivense
Logo paivense

Sal, gorduras e açúcares vão ser reduzidos em mais de 2.000 alimentos

A Direção-Geral da Saúde (DGS) vai assinar um acordo esta quinta-feira com sete associações da indústria alimentar e distribuição que vai permitir reduzir as quantidades de sal, açúcar e gorduras em mais de 2.000 alimentos.

“Mais de 2000 produtos podem ser abrangidos por este acordo. O que vamos avaliar é uma média ponderada, uns poderão reduzir mais do que outros. Mas isto é o que potencialmente podemos vir a atingir”, diz Maria João Gregório, nova diretora do Programa Nacional para a Alimentação Saudável, em entrevista ao jornal Público.

De acordo com o matutino, no caso do açúcar, os alimentos que vão ficar mais saudáveis vão ser os cereais de pequeno-almoço, refrigerantes, néctar de fruta, iogurtes e leites com chocolate. Já no que toca ao sal, a medida vai incidir nas batatas fritas e outros snacks, pão, sopas prontas a consumir e algumas refeições prontas a consumir.

“Demorou mais de um ano, fizemos mais de 17 reuniões com os sectores da indústria e também da distribuição. Também queríamos assegurar que os alimentos que vão ser reformulados são aqueles que são os mais consumidos pela população. Isso é um dos pontos muito positivos deste acordo”, afirmou Maria João Gregório, observando que foi difícil conseguir chegar a este acordo.

“Conseguimos assegurar que este processo vai implicar a reformulação dos produtos que representam pelo menos 80% do total de vendas de cada categoria”, sustentou.

Tal como nota a TSF, os protocolos foram iniciados em fevereiro de 2017, previstos para junho de 2018, e só nesta quinta-feira é que serão assinados.

Globalmente, os protocolos assinados serão para alcançar entre 2022 e 2023. “Temos algumas categorias em que as metas serão apenas alcançadas em 2023. Aqui temos as sopas prontas a consumir e os néctar de fruta. Em relação a percentagens de redução, para o açúcar na sua maioria serão reduções de 10% até 2022, sendo que para os néctar de fruta é uma redução de 7%. Nestes produtos há mais dificuldade em reduzir o açúcar porque este está geralmente presente no sumo da fruta”.

“Em relação aos ácidos gordos trans são valores inferiores a 2 gramas por 100 gramas de gordura, que é o que vai ficar definido no novo regulamento que foi publicado na semana passada pela Comissão Europeia”, explicou ainda a responsável.

De acordo com o Ministério da Saúde, os acordos para reformulação de produtos alimentares, serão assinados com sete associações empresariais: Associação Portuguesa de Empresas de Distribuição (APED, que representa os supermercados), Federação das Indústrias Portuguesas Agro-Alimentares (FIPA), Associação Nacional dos Industriais de Gelados Alimentares, Óleos, Margarinas e Derivados (ANIGOM), Associação Nacional Comerciantes Industriais Produtos Alimentares (ANCIPA), Associação Nacional dos Industriais de Lacticínios (ANIL), Associação Portuguesa de Produtores de Flocos de Cereais (AFLOC) e Associação Portuguesa de Bebidas Refrescantes Não Alcoólicas (PROBEB).

A ministra da Saúde já disse que a meta do Governo é promover estilos de vida saudáveis para reduzir a mortalidade prematura, bem como aumentar a esperança de vida saudável.

Fonte: ZAP