Início País Há escolas que separam alunos para melhorar os resultados (e resulta)

Há escolas que separam alunos para melhorar os resultados (e resulta)

COMPARTILHAR

Duas escolas da Madeira dividiram os alunos por turmas de acordo com o desempenho académico dos anos anteriores e viram o insucesso escolar baixar consideravelmente.

Em três anos, a Escola Básica dos 2.º e 3.º ciclos do Caniço baixou a taxa de retenção de 20,8% para 4% e a Escola Básica 2.º e 3.º ciclos de Câmara de Lobos viu a taxa de insucesso baixar de 11% para 3,1%.

Estas duas escolas da Madeira dividiram os alunos por turmas consoante o desempenho académico dos anos anteriores, separando os que têm mais dificuldades dos que se saem melhor. Mas, segundo o Público, o sucesso extravasa os números.

“Muitos encarregados de educação têm vindo à escola pedir para os filhos entrarem para o programa”, diz ao jornal Armando Morgado, presidente do conselho executivo da EB 2/3 do Caniço.

No início dos projetos – “Caniço +” e “Estreito +” – houve muita desconfiança por parte dos encarregados de educação, do sindicato dos professores e dos partidos da oposição ao governo social-democrata de Miguel Albuquerque, que receavam que os estudantes se sentissem descriminados.

Se houve discriminação, foi pela positiva. As turmas de recuperação [onde os alunos com maiores dificuldades foram colocados], sempre tiveram mais meios pedagógicos do que as restantes”, explicou António Mendonça.

O “Estreito +” começou por atuar no início de cada ciclo escolar, em duas turmas do 5.º e duas turmas do 7.º ano. Foram formadas turmas, com um máximo de 16 alunos, de desenvolvimento (para os alunos com bom histórico académico) e de recuperação (para os que denotavam mais dificuldades).

“Os resultados foram bastante positivos, com os alunos a terem melhor desempenho e vontade de aprender mais”, afirma António Mendonça.

A Secretaria Regional de Educação faz também um balanço muito positivo dos três anos de projeto. “Os dados disponíveis confirmam que é possível conceber e implementar com sucesso alternativas para manter a maioria dos alunos no ensino regular, como aconteceu no caso destas escolas”, diz ao jornal o gabinete de Jorge Carvalho, secretário regional de Educação.

No Estreito de Câmara de Lobos, desde que o programa chegou à escola, a taxa de retenção caiu de 11% para 3,1%. No Caniço, a taxa global de sucesso subiu de 79,2% (no final de 2014/2015) para os 96% do ano lectivo passado. Em anos mais sensíveis, como o 7.º ano, a taxa de retenção tornou-se residual: 2,6%, quando antes era de 15,2%.

“É sabido que cada pessoa aprende de forma diferente. Não pode, portanto, a escola que se afirma democrática, ensinar de forma igual para todos”, adianta a secretaria regional.

Fonte: ZAP

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

4 + twenty =

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.