Logo paivense
Logo paivense

Solução Montijo repensada. Alcochete pode ser a casa do novo aeroporto

ANA / VINCI Aeroportos

Projeto para novo Aeroporto no Montijo

O Governo admite fazer uma avaliação ambiental estratégica do Montijo. Além de Alverca e Beja, Alcochete surge como solução favorita para o novo aeroporto.

O ministro das Infraestruturas disse, esta quarta-feira, que a crise gerada pela pandemia veio dar ao Governo tempo para ponderar sobre a possibilidade de uma avaliação ambiental estratégica sobre o novo aeroporto do Montijo.

“A urgência fazia com que nós não perdêssemos mais tempo na necessidade de expandir a capacidade aeroportuária de Lisboa” disse Pedro Nuno Santos. “Agora, não ignoramos que a pandemia, não retirando a necessidade de aumentar a capacidade aeoportuária, porque contamos com a recuperação dentro de alguns anos, dá-nos algum tempo para ponderarmos a avaliação ambiental estratégica”, afirmou.

Várias organizações ambientais têm defendido que o processo referente ao novo aeroporto de Lisboa tem de ser apreciado no contexto de uma avaliação ambiental estratégica, em que sejam ponderadas várias opções possíveis.

O Campo de Tiro de Alcochete é uma das alternativas favoritas ao Montijo, já que tem uma declaração de impacto ambiental (DIA) válida até 9 de dezembro. No entanto, Alverca e Beja também são hipóteses viáveis, escreve o Expresso.

A reavaliação da localização do novo aeroporto não quer dizer, todavia, que o Montijo deixou de ser a preferência do Governo, mas se da avaliação resultar outra opção, o Executivo pode não ter alternativa senão aceitar.

Por sua vez, o presidente da Confederação do Turismo de Portugal, Francisco Calheiros, diz-se surpreendido com as declarações de Pedro Nuno Santos.

“Ouvi com uma enorme surpresa e apreen­são as palavras do ministro das Infraestruturas, porque vai atrasar a construção do Montijo. Temo, aliás, que já estejamos atrasados. Não se iludam: a construção do aeroporto vai demorar quatro anos”, adiantou Calheiros. “A retoma do setor não chegará antes de 2023-2024, e nessa altura vamos ter outra vez problemas de capacidade na Portela”.

A ANA – Aeroportos de Portugal bate o pé e mostra-se intransigente quanto à solução Montijo. “A ANA mantém-se disponível para avançar logo que o concedente entender oportuno”, disse fonte oficial da concessionário de aeroportos. “A criação de capacidade no aeroporto do Montijo será fundamental para que Lisboa esteja em condições de acolher o tráfego quando a retoma voltar”.

“Acredito que há vontade do Governo de levar a cabo o Montijo, porque está convencido dos argumentos a favor desta solução. O primeiro-ministro já disse perentoria­mente que o Montijo era a 17ª escolha e a definitiva. E acredito que não terá os constrangimentos que tinha em 2019 quando houver a retoma”, defendeu José Luís Arnaut, presidente da ANA.


Fonte: ZAP