Stina Stjernkvist / EPA

A imposição de quarentenas entre países europeus pela Covid-19, como as do Reino Unido ou da Noruega a viajantes provenientes de Espanha, coloca em risco até 197,5 milhões de empregos este ano a nível global, foi anunciado esta terça-feira.

Numa entrevista à Efe, a presidente do World Travel and Tourism Council (WTTC), Gloria Guevara, recordou que nestas previsões para o setor, que apontam para o pior dos cenários, a queda do turismo causaria uma perda no Produto Interno Bruto (PIB) mundial de mais de 5,5 biliões de dólares (4,7 biliões de euros), menos 62% que em 2019, e o número de chegadas turísticas a nível mundial seria reduzido em 73%.

A falta de colaboração entre os países europeus para estabelecer um quadro comum contra a Covid-19 fará aumentar o número de empregos afetados no Velho Continente em 2020 de 18,4 milhões para 29,5 milhões, com uma perda de 1,6 biliões de dólares (1,4 biliões de euros) no PIB.

Para Guevara, a decisão do Governo britânico de impor uma quarentena a todos os viajantes que chegam de Espanha, “infelizmente, gera instabilidade e incerteza e tem um grande impacto” também para o próprio Reino Unido, onde o número de postos de trabalho em risco aumenta de 1,9 milhões para 2,8 milhões.

Além disso, a chefe do WTTC está preocupada que “a questão se politize e as pessoas comecem a pensar na reciprocidade”, sendo a quarentena o principal dano para o turismo porque a desconfiança que gera faz com que as pessoas tenham ainda mais medo de ficar presas num país do que de ficar contagiadas.

A quarentena britânica, que também foi anunciada sem qualquer aviso, é “devastadora” para o setor e é “um golpe sem precedentes”, lamentou Guevara, que disse ser “um passo atrás” no que já estava a progredir na recuperação após a pandemia.

A medida levou a muitos cancelamentos de viagens não só do Reino Unido para Espanha, mas também na direção oposta. Se o governo britânico quisesse impor uma quarentena aos viajantes vindos de Espanha, “deveria tê-lo feito de uma forma mais localizada e não incluir todo o país, uma vez que as Ilhas Canárias e Baleares ou a Andaluzia estão bem”, sublinhou.

Atualmente, alguns países, como a Islândia, substituíram as quarentenas por testes rápidos de Covid-19 à chegada e, se um teste turístico for positivo, o turista é colocado em isolamento, enquanto com um negativo, é-lhe permitido visitar o destino.

Só se houver muita socialização com a comunidade é que outro teste é solicitado no quinto dia, mas se a viagem for apenas para turismo, um teste é suficiente, disse Guevara, que não compreende “porque é que o Reino Unido não pode aprender com o que acontece noutros países”.

Segundo Guevara, Espanha será grandemente afetada pela decisão das autoridades britânicas a curto prazo, mas ao mesmo nível que outros países, incluindo o próprio Reino Unido, que terá dificuldade em recuperar a procura porque a imposição dos quarenta “é como dizer que os turistas não são bem-vindos”.

Na opinião de Guevara, é essencial que a reabertura do turismo seja feita de forma coordenada, acordando medidas como a utilização de máscaras ou testes de Covid-19 à chegada, entre outras, que atualmente aplicam alguns países e outros não.

O turismo precisa de “soluções consistentes”, por isso temos de nos sentar e chegar a acordo sobre quais são as regras e garantir a sua aplicação a todos, porque se correr mal para um país, seja Espanha, França ou Portugal, “corre mal para a Europa”, insiste a presidente do WTTC.


Fonte: ZAP

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

2 × 3 =

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.