Logo paivense
Logo paivense

A cidade do Porto terá o primeiro Museu do Holocausto da Península Ibérica

O primeio espaço museológico dedicado ao Holocausto em território ibérico será inaugurado no dia 20 de janeiro, na zona do Campo Alegre, no Porto.

A Comunidade Judaica do Porto refere que o museu será um importante instrumento de conhecimento que “retrata a vida judaica antes do Holocausto, o nazismo, a expansão nazi na Europa, os guetos, os refugiados, os campos de concentração, de trabalho e de extermínio, a Solução Final, as marchas da morte, a libertação, a população judaica no pós-guerra, a fundação do Estado de Israel, vencer ou morrer de fome, os justos entre as nações”.

Ainda segundo a mesma fonte, neste museu existirá uma reprodução dos dormitórios de Auschwitz, assim como uma sala de nomes, um memorial da chama, cinema, sala de conferências, centro de estudos, corredores com a narrativa completa e, à imagem do Museu de Washington, fotografias e ecrãs exibindo filmes reais sobre o antes, o durante e o depois da tragédia.

Em entrevista, o curador e responsável do Museu do Holocausto do Porto, o arqueólogo Hugo Vaz, refere que “são esperados cerca de 10 mil alunos por ano, o mesmo número que, antes da pandemia, costumava visitar a Sinagoga”.

O arqueólogo teve ainda a amabilidade de conceder ao Jornal Paivense uma pequena entrevista.

JP. Qual o objetivo primário do museu e de que forma irão passar essa mensagem?

HV. O Museu do Holocausto do Porto tem como Missão promover a educação e a memória sobre o Holocausto, conscienciabilizando e sensibilizando os seus visitantes para que este, que é um dos mais sombrios episódios da nossa História, não se volte a repetir.   

   O Museu foi pensado para receber todos os públicos. No entanto, o ensino do Holocausto deverá começar sempre nos mais novos, ou seja, nos jovens em período escolar. Embora, felizmente, o Holocausto seja abordado cada vez mais nos programas educativos, entendeu a Ex.ma Direção criar este equipamento cultural (aliás, o único, neste momento, da Península Ibérica) e convidar as escolas a visitá-lo. Desta forma pretende-se consciencializar e sensibilizar os alunos sobre os temas relacionados com o Holocausto, servindo o MHP como ponto de partida.  

JP. Como está organizado o espaço?

HV. O Museu do Holocausto do Porto foi criado pela Comunidade Judaica do Porto (CIP/CJP) e retrata a vida judaica antes do Holocausto, o Nazismo, a expansão nazi na Europa, os Guetos, os refugiados, os campos de Concentração, de Trabalho e de Extermínio, a Solução Final, as Marchas da Morte, a Libertação, a População Judaica no Pós-Guerra, a Fundação do Estado de Israel, e Os Justos entre as Nações.

Neste novo Museu os visitantes terão oportunidade de visitar a reprodução dos dormitórios de Auschwitz, assim como uma sala memorial de nomes, cinema, sala de conferências, centro de estudos, corredores com a narrativa completa e fotografias e ecrãs exibindo filmes reais sobre o antes, o durante e o depois da tragédia.

JP. De que forma esperam organizar as visitas em tempo de contenção pela pandemia?

HV. O calendário de atividades e exposições para este ano ainda está a ser planeado, pois deverá, naturalmente, ter em consideração o período pandémico que atravessamos.

No entanto, já dispomos de Plano de Contingência aprovado e, naturalmente, as visitas e outras atividades serão realizadas em absoluto cumprimento das normas emanadas pela DGS.