Logo paivense
Logo paivense

Bebés finlandeses dormem na rua mesmo com temperaturas abaixo de zero

É um comportamento impensável em Portugal, mas na Finlândia os pais colocam os seus filhos bebés a dormir a sesta na rua, mesmo quando as temperaturas rondam os 10 graus negativos. Uma “tradição” que se justifica pela crença de que o ar puro faz bem às crianças.

Nos passeios dos cafés, é comum ver os carrinhos de bebé na rua enquanto os adultos se aquecem com café e chocolate quente do lado de dentro dos estabelecimentos comerciais.

A maioria dos finlandeses acredita que o ar puro é bom para os mais pequenos. Como não ficam fechados em quartos e em salas com outras crianças, apanham menos gripes e constipações, alegam.

Os estudos científicos têm demonstrado conclusões diversas sobre este alegado benefício para a saúde das crianças. Mas é certo que, desde que estejam com roupas adequadas e num saco de dormir reforçado, respirar ar frio do exterior também não faz mal nenhum.

Na Finlândia, há também a tradição de oferecer às recém-mamãs uma caixa cheia de presentes, de cada vez que um bebé nasce, e que ainda pode ser usada como a primeira cama do pequenote.

Dentro da caixa, chamada “Kit de Maternidade, o Estado coloca fraldas, roupas, gorros, meias, lençóis e utensílios para o banho do bebé. E ainda inclui creme para os mamilos das mães, discos absorventes para os soutiens e preservativos para os pais.

As mães podem escolher entre a caixa ou um subsídio de 140 euros, mas 95% das novas mães optam pela primeira.

A tradição foi iniciada em 1937, e, inicialmente, destinava-se apenas às famílias com menores rendimentos. Mas a filosofia mudou em 1949, alargando-se a todas as mães, desde que compareçam nos centros de saúde e hospitais, para fazerem os exames pré-natais.

O incentivo ajudou a diminuir os índices de mortalidade infantil de 65 mortes em 1000 nascimentos, na década de 1930, para 2,5 mortes em 1000, na actualidade.

As autoridades finlandesas defendem que a caixa visa “oferecer um início de vida igualitário” a todas as crianças, independentemente das suas origens sociais.

https://www.youtube.com/watch?v=yMQ2DOSbPuY

Fonte:zap