Logo paivense
Logo paivense

CP acaba com o primeiro Alfa Pendular do dia (e reforça receios de colapso)

António ML Cabral / Wikimedia

A partir de 5 de Agosto, deixa de haver o primeiro comboio Alfa Pendular do dia a realizar o percurso de Lisboa ao Porto. A CP – Comboios de Portugal vai acabar com esta ligação que permite chegar à Invicta antes das 9 da manhã, numa altura em que se fala do eventual colapso da empresa. 

Está em causa o Alfa Pendular que sai de Lisboa às 06:09 horas e que chega a Porto – Campanhã às 8:44 horas. A viagem em comboio rápido vai deixar de se realizar a partir de 5 de Agosto próximo, com a CP a oferecer, em alternativa, uma nova ligação no Intercidades, a partir da capital às 6:30 horas e a chegar ao Porto às 9:46 horas.

Estes dados são confirmados à Renascença pela própria CP, numa resposta escrita, que justifica a decisão com o facto de o Alfa Pendular em causa ser o que “regista menor procura (-46% do que a média) e a mais baixa taxa de ocupação média ao longo do percurso, uma vez que a partida de Lisboa ocorre muito cedo”.

Mas um trabalhador da CP, que não quis ser identificado, refere na Renascença que, “principalmente à segunda-feira, estes comboios vão sempre cheios“. “É o típico comboio de executivo“, sublinha ainda, frisando que para estas pessoas “é manifestamente fundamental chegar pelas 9 horas”, para chegar “cedo para resolver as suas coisas e regressar até no mesmo dia”.

Para Nuno Botelho, da Associação Comercial do Porto, estamos perante “um problema estratégico do país que deve ser pensado e ponderado”, já que “há poucas alternativas para aceder de Lisboa ou vir de Lisboa para o Porto”, conforme declarações na Renascença.

Neste mesmo sentido, o presidente da Associação Industrial do Minho, António Marques, refere na mesma Rádio que o fim do primeiro Alfa Pendular da manhã é “mais um factor que retira competitividade às empresas“.

A notícia surge numa altura que se noticiou que a CP está à beira da ruptura, com o presidente da empresa, Carlos Nogueira, a falar da necessidade de aumentar o investimento na empresa.

Do lado da CP, alega-se que o fim do Alfa Pendular é uma “medida adequada” que “melhora a resposta à procura efectivamente existente e potencia a sustentabilidade económica do Serviço” de comboios rápidos, conforme cita a Renascença.

Fonte: ZAP