Logo paivense
Logo paivense

Diamantes sustentáveis desenvolvidos em laboratório. São feitos a partir do céu

A empresa britânica Ecotricity, fundada pelo ambientalista Dale Vince, quer “sugar” dióxido de carbono da atmosfera e usá-lo para criar uma versão de diamante mais amiga do ambiente.

A exploração dos diamantes sai caro ao ambiente. Nesse sentido, Dale Vince quer pôr em marcha um plano para desenvolver pedras preciosas em laboratório, os primeiros diamantes sem impacto ambiental do mundo.

O fundador da Ecotricity disse ter desenvolvido os únicos diamantes sem impacto ambiental a partir de carbono, água e energia, elementos que provêm diretamente do céu de Stroud, em Inglaterra.

“Fazer diamantes a partir de nada mais do que o céu, do ar que respiramos, é uma ideia mágica, evocativa, é uma alquimia moderna. Não precisamos de extrair a terra para termos diamantes, podemos extrair o céu”, disse ao The Guardian.

O método utiliza dióxido de carbono capturado diretamente da atmosfera para criar os diamantes que, segundo Dale Vince, são quimicamente idênticos aos que são extraídos da terra. A única diferença reside no facto de serem mais sustentáveis, já que o processo de criação usa energia eólica e solar e água da chuva.

A produção destas pedras preciosas poderia ainda ajudar a limpar o ar, através da remoção do dióxido de carbono da atmosfera.

Dale Vince abriu uma outra empresa, a Sky Diamonds, que será a responsável pela transformação do diamante em laboratório. O objetivo é produzir cerca de 200 quilates de diamantes todos os meses.

Para tal, a empresa vai proceder à deposição química de vapor, que se baseia em colocar uma semente de diamante dentro de uma estrutura selada e aquecê-la a 800ºC cheia de gás metano rico em carbono. O processo vai ligar os elementos de carbono à semente, originando um diamante quimicamente idêntico a uma pedra extraída do subsolo.