Logo paivense
Logo paivense

Dirigente do PS Porto acusado de não pagar rendas e de deixar casa “semi-destruída”

Federação Distrital PS Porto / Facebook

Renato Sampaio, presidente da concelhia do PS no Porto

O presidente da concelhia do PS/Porto não pagou vários meses de renda e deixou o apartamento onde viveu durante 40 anos “semi-destruído”, acusa a ex-senhoria do também deputado socialista na Assembleia da República.

Em causa está um apartamento no Porto que Renato Sampaio tinha arrendado desde 1 de Abril de 1974 e pelo qual pagava, actualmente, uma renda de 180 euros, segundo dados divulgados pela ex-senhoria, Cristina Padrão, ao Jornal Económico.

A dona do imóvel assegura que o presidente da concelhia do PS/Porto não pagou “rendas a fio”, cita o Observador, e diz que depois de deixar a habitação, no seguimento de uma ordem de despejo, deixou a casa “semi-destruída”.

A proprietária fala num estado de degradação e de “sujidade e desleixo” que lhe deverá custar “perto de 20 mil euros” a resolver.

Cristina Padrão denunciou o caso no Facebook, publicando diversas imagens que mostrarão a alegada degradação do imóvel, onde Renato Sampaio viveu durante “mais de 40 anos”.

Renato Sampaio confirma ao jornal online que não pagou atempadamente três meses de renda “por motivos de doença”, mas assegura que já saldou a dívida. Um dado que Cristina Padrão confirma, notando que o deputado e a mulher optaram por abandonar o imóvel “em meados de Abril”, não pagando assim o valor da indemnização previsto.

Sobre o alegado mau estado do apartamento, o também deputado não faz comentários, mas refere que vai avançar com uma “acção em tribunal”.

Fonte: ZAP