Logo paivense
Logo paivense

Enigma do comboio faz-nos questionar quão boas são as nossas decisões

Tem apenas dez segundos para tomar uma decisão: se não fizer nada, cinco pessoas vão morrer. Se puxar a alavanca, serão salvas, mas, como consequência, outra pessoa morre. O que faria?

Este problema, conhecido como “Dilema do Comboio”, é um cenário clássico entre filósofos e sociólogos, comummente usado para estudar a forma como tomamos decisões e para confrontar diferentes perspetivas sobre a mesma situação.

Por um lado, há quem acredite que o correto seria causar o menor dano possível. Para essas pessoas, a opção mais sensata seria puxar a alavanca, de forma a salvar mais vidas, mesmo que uma pessoa acabe por morrer.

Mas, do outro lado, estão pessoas que argumentam que intervir nesta situação seria imoral, cansando sofrimento que não aconteceria sem a nossa interferência, mesmo que por boas intenções.

As perguntas são infinitas: salvar cinco pessoas é melhor do que salvar apenas uma? É correto salvar cinco pessoas, mas matar uma que não estava a correr risco? Quem escolheu não puxar a alavanca, mudaria de opinião caso se tratassem de 100 pessoas em risco de vida e não cinco?

Dries Bostyn, sociólogo da Universidade de Gante, na Bélgica, refere que este dilema “é sobre o bem-estar do individuo em contraponto ao bem-estar de um grupo”.

O sociólogo liderou uma equipa de especialistas que tentou aplicar na prática este dilema hipotético. Assim, os investigadores usaram um caso diferente, mas que segue a mesma lógica. Bostyn reuniu um grupo de 300 voluntários a avançou com a experiência.

Ora, numa jaula há cinco ratos e noutra apenas um. Em 20 segundos, caso o participante não faça nada, os cinco ratos vão sofrer um choque elétrico que causará dor aos animais. Se antes do tempo acabar, os voluntários apertarem um botão, apenas um rato, que se encontra noutra jaula, levará o choque elétrico.

De acordo com o sociólogo, 66% dos participantes disseram que apertariam o botão para salva os cinco ratos, em detrimento do rato solidário. Os outros 34% disseram que não fariam nada e, consequentemente, deixariam os cinco ratos receber a descarga elétrica.

Posteriormente, os especialistas colocaram outro grupo de voluntários perante a situação real e o resultado foi diferente. Neste caso, 84% dos voluntários apertaram o botão para salvar a vida aos cinco animais. Somente 16% não fizeram nada.

Para Bostyn, este resultado demonstra que “o que as pessoas pensam não corresponde ao que elas fazem na prática”.

Segundo os investigadores, o resultado mais interessante foi o sentimento contraditório dos participantes. “Foi fascinante ver que as pessoas achavam ter tomado uma boa decisão e depois pedirem desculpa pela sua escolha. É uma questão muito interessante para se estudar no futuro”, diz Bostyn.

No entanto, esta experiência tem várias limitações, principalmente por ser muito difícil comparar a morte de um roedor com a morte de um ser humano.

Voltando ao dilema: mudou de opinião?

Fonte: ZAP