Logo paivense
Logo paivense

Investigação à múmia extraterrestre chilena pode ter sido “anti-ética”

(dr) Emery Smith

Ata, a pequena múmia “extraterrestre” encontrada no deserto do Atacama

Um novo estudo sugere que as análises genómicas realizadas na múmia chilena que se pensava ser extraterrestre foram desnecessárias e anti-éticas.

Encontrada em 2003, no deserto do Atacama, a estranha forma do esqueleto, de apenas 15 centímetros e com uma cabeça alongada, alimentou rumores de que seria extraterrestre.

Desde então, testes de ADN confirmaram que os restos mortais pertenciam a um feto humano que os investigadores batizaram de Ata. Porém, os cientistas que conduziram a investigação e publicaram as suas descobertas em março têm sido criticados pelos métodos usados na pesquisa.

Na quarta-feira passada, outro grupo de investigadores apresentou uma nova avaliação do estudo anterior, publicado no International Journal of Paleopathology, criticando os seus autores e sugerindo que as suas conclusões sobre as chamadas anormalidades do esqueleto – como a falta de costelas – refletem uma compreensão incompleta do desenvolvimento fetal normal, avança o Live Science.

Essa má interpretação dos restos mortais levou os cientistas a prosseguir com a extração de ADN que danificou parte do esqueleto. A investigação, que não incluiu quaisquer investigadores chilenos, pode ter ultrapassado os protocolos que normalmente controlam a ética da pesquisa realizada com esqueletos humanos, já que a sua publicação omitiu “uma declaração de ética suficiente ou licença arqueológica”, escreveu Kristina Killgrove, co-autora do novo estudo e professora assistente de antropologia na Universidade do Oeste da Flórida, num artigo para a Forbes.

No novo estudo, os autores notaram que o crânio e o corpo de aspecto incomum da múmia não eram necessariamente o resultado de “anomalias”, tal como sugerido pela pesquisa anterior. Em vez disso, o crânio poderia ter sido alongado pelo parto vaginal do feto prematuro, enquanto que o calor e a pressão no subsolo depois de o corpo ter sido enterrado poderiam ter comprimido ainda mais o crânio.

Os investigadores desta nova análise também questionam a sugestão do estudo anterior de que “novas mutações” poderiam explicar o tamanho da múmia. Os autores observaram que o desenvolvimento esquelético na idade suspeita do feto, 15 semanas, não teria sido afetado pelas variantes genéticas que os outros investigadores descreveram no seu estudo.

De acordo com os cientistas do novo estudo, como se acredita que os restos mortais tenham apenas algumas décadas, estudá-los levantam preocupações éticas que o estudo anterior não tratou de forma adequada.

Além disso, como a extração de ADN pode destruir alguns dos tecidos do corpo, deveriam ter sido aplicadas restrições adicionais nesse exame. E não está ainda claro no estudo anterior que a amostra de ADN tenha sido necessária para começar.

“Infelizmente, não havia justificação científica para realizar análises genómicas da Ata porque o esqueleto é normal”, escreveram os autores do novo estudo, acrescentando que o teste do genoma completo realizado anteriormente “foi desnecessário e anti-ético”.

“Alertamos os investigadores de ADN sobre como se envolver em casos que têm falta de contexto e legalidade claros, ou onde os restos residem em coleções particulares”, concluíram.