Logo paivense
Logo paivense

NASA descobre uma duna azul no Planeta Vermelho

NASA / JPL-Caltech / Univ. of Arizon

As dunas na superfície árida do Planeta Vermelho não são uma novidade, mas há uma especial que tem chamado a atenção dos cientistas da NASA.

A duna, localizada na cratera Lyot, tem uma coloração azul turquesa que destoa do resto da paisagem marciana, cinza amarelada. Ainda não existe uma explicação para esta formação, porém, os cientistas acreditam que a duna seja composta por materiais mais finos.

A imagem foi captada pela câmara High Resolution Imaging Science Experiment (HiRISE) da NASA, a bordo da sonda Mars Reconnaissance Orbiter. Embora a fotografia tenha sido tirada no dia 24 de janeiro deste ano, só foi divulgada esta semana no site da agência espacial.

A HiRISE é descrita como “a câmara fotográfica mais poderosa alguma vez enviada para outro planeta”.

Na realidade, Alfred McEwen, diretor do Planetary Image Research Laboratory na Universidade do Arizona, explicou à CNN que a duna é cinzenta, embora pareça azul na imagem fotografada. Foi esta a conclusão a que chegaram os cientistas depois de um longo trabalho de edição das imagens captadas.

Se estivéssemos em Marte e víssemos a duna a olho nu, veríamos uma mancha cinzenta no solo do Planeta Vermelho, conhecido pela cor encarnada das suas rochas e areais.

Segundo explica o Diário de Notícias, a câmara consegue captar mais pormenores, mas o seu trabalho é dificultado pela quantidade de poeira que existe naquele planeta.

A HiRISE captou três imagens em que as cores são ajustadas para vermelho, azul e verde, com recurso a tecnologia de infravermelhos. A magia acontece quando o contraste foi aumentado: a duna ganhou uma tonalidade turquesa forte por ser composta por “um material mais fino” e/ou ter “uma composição diferente do que a rodeia”, lê-se no comunicado da NASA.

A duna foi descoberta na cratera Lyot, batizada e homenagem ao astrónomo francês Barnard Lyot. Esta cratera é uma importante formação geológica, por ser o ponto mais profundo do hemisfério norte do Planeta Vermelho.

A cratera Lyot tem cerca de 145 quilómetros de diâmetro e foi formada graças a um choque de um grande meteoro, há cerca de 3,5 mil milhões de anos.