Logo paivense
Logo paivense

“O diabo chegou e está no Serviço Nacional de Saúde”

ppdpsd / Flickr

O deputado do PSD Ricardo Baptista Leite

Há dois anos e meio, o PSD avisou que o diabo estava para chegar por causa da ação deste Governo. Agora, o partido diz que ele já “chegou e está no Serviço Nacional de Saúde”.

Esta quarta-feira, no Parlamento, o deputado Ricardo Baptista Leite fez um retrato cinzento da situação “dramática” e de “falência” do Serviço Nacional de Saúde (SNS), “incapaz de responder às necessidades dos cidadãos”. O deputado social-democrata considerou que “o diabo chegou e está no Serviço Nacional de Saúde”.

No período reservado a declarações políticas, no plenário da Assembleia da República, o PSD focou-se na “situação de falência” do Serviço Nacional da Saúde, com críticas para o Governo socialista e para os partidos de esquerda que o apoiam a nível parlamentar, uma posição partilhada pelo CDS-PP.

“É caso para dizer que o diabo não está para chegar. O diabo chegou e está no Serviço Nacional de Saúde”, atirou. Na opinião de Ricardo Baptista Leite, “quebrou-se a confiança, deixando a gestão da saúde sem rei nem roque e, no final, quem paga são os portugueses”.

É impossível confiar neste Governo e a degradação do serviço público prossegue, empurrando quem tem recursos para o setor privado, deixando quem não tem recursos à mercê do seu destino”, criticou. A exigência do PSD é de que o “Governo reconheça que falhou e ative um Plano de Intervenção de Emergência no Serviço Nacional de Saúde”.

Nos pedidos de esclarecimento, a referência ao diabo – imagem utilizada pelo antigo líder do PSD e primeiro-ministro Pedro Passos Coelho – não escapou ao BE e ao PS.

“Quase que tínhamos saudades sobre a tese do diabo. Nós sabemos que algo está mal dentro do PSD quando vai sacar a tese do diabo”, atirou o deputado bloquista Moisés Ferreira, numa referência à atual situação interna do partido social-democrata.

Para o BE, “o PSD não tem credibilidade para falar do SNS”, apesar de ser “inegável que há muita coisa a fazer”, perguntando ao deputado do PSD como é que justifica a proposta de uma Lei de Bases da Saúde que “continua a querer drenar os recursos do SNS para privado”.

Seguiu-se a deputada do CDS-PP, Isabel Galriça Neto, que concordou inteiramente com a linha de pensamento do PSD, reiterando que desde há três anos “a saúde dos portugueses está pior” e que o “SNS tem a sua sustentabilidade ameaçada“.

“Concorda ou não que a saúde não tem sido uma prioridade para este Governo. Os três anos de ação governativa socialista com o apoio das esquerdas unidas fizeram agravar e muito a situação do SNS”, questionou.

Pelo PS, António Sales também escolheu arrancar com o diabo. “O PSD, ao chamar o diabo, precisa de uma sessão de exorcismo. Eu prevejo que seja amanhã ao fim do dia“, ironizou, referindo-se ao Conselho Nacional do partido, que acontecerá esta quinta-feira.

Já Carla Cruz, deputada do PCP, classificou a declaração política do PSD como “mais um episodio de ofensiva violenta contra o SNS”. “Aquilo que o senhor deputado aqui fez foi uma tentativa de descredibilizar o SNS“, condenou.

Nas respostas finais, Ricardo Baptista Leite aproveitou para atirar diretamente ao PCP e ao BE, considerando que estes partidos “têm prestado serviço aos privados” ao empurrarem as pessoas para esses mesmos privados ao aprovar Orçamentos do Estado que não apostam no SNS.

Fonte: ZAP