Logo paivense
Logo paivense

Rio “está pronto para eleições antecipadas” e vai chumbar o Orçamento

PSD / Flickr

O presidente do PSD, Rui Rio

O PSD vai votar contra o próximo Orçamento de Estado do Governo. O semanário Expresso assegura que Rui Rio “está pronto para eleições antecipadas” e também que ficou “furioso” com o voto favorável da bancada parlamentar social-democrata ao projecto do CDS sobre os combustíveis.

Depois de Silva Peneda, um dos ministros-sombra do PSD e conselheiro de Rui Rio, ter dito que “os mandatos são para cumprir até ao fim”, abrindo a porta a uma posição do partido rumo à aprovação do próximo Orçamento de Estado, surge a ideia de que o presidente dos sociais-democratas tem outra estratégia.

O Expresso garante, na sua edição impressa deste sábado, que o PSD vai votar contra o Orçamento de Estado e que “está pronto para eleições antecipadas”.

Um tema que Rui Rio aflorou, durante uma conferência de imprensa sobre a reforma da Zona Euro. “Eu não estou minimamente zangado com o doutor Silva Peneda, ele tem o direito de dar a sua opinião”, frisou o líder do PSD, em declarações divulgadas pela TVI.

Notando que se recusa a meter “uma rolha na boca das pessoas” para “não poderem falar”, Rio deixou contudo a ideia de que o PSD pode chumbar o Orçamento, contrariando as palavras do seu conselheiro.

“Será muito difícil que o PS consiga apresentar um Orçamento que esteja de acordo com o PSD porque, ao cabo de todos estes anos, foram apresentados Orçamentos numa dada linha encostada à esquerda, tendo de fazer uma volta muito grande para poder apresentar um Orçamento ao contrário, mas o documento nem sequer existe, lá estaremos para ver”, apontou, como cita a TVI.

“Desautorização” a Negrão

Em relação à votação favorável do PSD à proposta do CDS sobre o fim do adicional ao Imposto Sobre os Produtos Petrolíferos, Rio realçou que não fala sobre “questões internas” do partido “em circunstância nenhuma”.

A bancada parlamentar do PSD terá votado “à revelia” de Rio. O Expresso destaca mesmo que “Rio ficou furioso quando percebeu que a bancada se tinha comprometido a votar a favor do projecto do CDS”.

O semanário também refere que a “desautorização do presidente do PSD” ao líder parlamentar, Fernando Negrão, “caiu que nem uma bomba”. Os dois homens do PSD deverão almoçar “nos próximos dias para resolver a tensão”, nota o jornal.

Rio não quis confirmar esse almoço que foi anunciado pelo secretário-geral do PSD como um momento para “articular estratégias”.

“Eu procedi, nesta matéria, como procedo em todas as outras com a direcção do partido, designadamente com o doutor Rui Rio”, referiu, por seu lado, Negrão, sem comentar os rumores que indicam que não tem condições para continuar à frente do grupo parlamentar do PSD.

Fonte: ZAP