Logo paivense
Logo paivense

Corpos dos soldados da I Guerra Mundial foram transformados e abusados para garantir a vitória

Ernest Brooks / Imperial War Museums

Soldados britânicos feridos na I Guerra Mundial.

Durante a Primeira Guerra Mundial, o corpo dos soldados britânicos foi levado ao limite numa tentativa desesperada de vencer o conflito. Muitos deles não eram os mesmo quando voltaram a casa, enquanto outros nem voltaram de todo.

Entre 1914 e 1918, o Império Britânico reuniu uma força de quase nove milhões de homens para ir à guerra. Voraz na sua necessidade de colocar soldados em campo, o diminuto exército britânico profissional logo foi aumentado por forças de reserva, recrutas e voluntários civis.

A maioria não tinha experiência militar e muitos homens que serviram na guerra não eram os mesmos quando voltaram a casa. A Primeira Guerra Mundial representou um ponto de fratura na história pessoal dos soldados. Como o jovem tenente Godfrey escreveu para a sua mãe em 1914, foi uma “existência diferente” da qual ninguém escapou inalterado.

O novo livro “War Bodies”, escrito pelo historiador Simon Harold Walker, foca-se diretamente nesta experiência de mudança de vida para os homens britânicos. Concentra-se também no impacto imediato e duradouro da guerra sobre os corpos dos soldados, construindo um mosaico da experiência física da batalha através dos testemunhos de quem a presenciou.

O livro ilustra até que ponto os seus corpos foram controlados, transformados e abusados pela liderança do exército para garantir a vitória.

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=IrabKK9Bhds?feature=oembed&w=700&h=394]

Corpos debilitados

Veja-se o soldado Silver, um recruta pré-Primeira Guerra Mundial cujo diário começa com a sua alegria com o seu brilhante uniforme vermelho. Um dos eventos aos quais ele dedica um espaço significativo é a injustiça da punição repetida por pé de trincheira em 1915.

Pé de trincheira é uma situação patológica devida à prolongada permanência dos pés em água fria. Caracteriza-se por vasoconstrição arterial, com arrefecimento e cianose dos pés, que podem levar à ulceração e gangrena.

“Eu disse-lhe [ao sargento da companhia] que não tinha tempo para limpar a lama das minhas roupas e os meus pés eram mais importantes, então ele sentenciou-me a sete dias de punição, o que significava que eu tinha que fazer trabalhos mais perigosos e sujos do que os outros rapazes, incluindo ir à terra de ninguém, colocar arame farpado e limpar latrina”, lê-se no diário.

Preocupado com o tratamento recebido, Silver protestou contra a impossibilidade de cuidados sanitários adequados, enquanto estava mergulhado até aos joelhos na lama e água gelada. Nenhuma quantidade de óleo de baleia poderia recuperar os seus pés ensanguentados, ironicamente agravados a cada punição.

O ciclo continuou até que Silver estava efetivamente incapacitado. Apenas quando a sua habilidade de combate foi claramente prejudicada o ciclo foi quebrado, a sua situação foi reconhecida e as punições substituídas por cuidados médicos.

O caso de Silver ilustra um problema significativo para muitos soldados, em que o dano que o seu corpo sofreu não teve nada a ver com a luta contra o inimigo. Foram as forças armadas às quais ele jurou lealdade que continuaram a causar-lhe danos.

À medida que os recrutas aprendiam a lutar, eles tornavam-se mais fortes e mais aptos, mas muito disso foi desfeito assim que chegaram ao campo de batalha e foram feridos, mutilados ou mortos.

Enquanto os homens lutavam contra o inimigo durante a guerra, eles também lutavam contra os ambientes que habitavam, as suas próprias necessidades e desejos físicos e o estabelecimento militar que os escolheu, treinou e colocou em campo.

Objeção e resistência

A batalha pelo controlo do corpo de combate britânico era frequentemente feia, agravada pela necessidade de criar soldados a partir de voluntários civis e recrutas. Muitos desses homens entraram em serviço com expectativas e objeções ao controlo militar tradicional, o que não acontecia com os recrutas militares padrão.

Os casos de resistência foram numerosos, incluindo a história do soldado Roberts que liderou um pequeno motim em 1915 contra o comando militar por causa do estado deplorável da comida ou a rebelião de um batalhão de treino de mineiros galeses que se recusou a combater devido a um oficial fisicamente abusivo. Noutro caso, vários homens escaparam por uma janela em 1916 para evitar vacinações indesejadas aplicadas pelo seu comandante.

A eficiência física do soldado em batalha significou uma interferência nos corpos dos soldados britânicos por parte dos militares. O soldado Roberts contou como testemunhar um homem encorajado a enforcar-se devido à sua fraqueza física foi mais tarde útil quando ele trabalhou com o Corpo Médico do Exército Real.

Virilidade e habilidade física estavam entrelaçadas à medida que as demonstrações de “masculinidade” e autoestima fixavam-se na capacidade do corpo de combater.

Os impactos dessas crenças podem ser tragicamente fatais, como no caso do veterano ferido Harry Green, que acreditava que os seus ferimentos o tornavam um fardo para o Estado e, por isso, pôs um fim à sua própria vida depois de voltar a casa em 1917.

Poucos terminaram a Primeira Guerra Mundial ilesos. Nas experiências dos milhões que lutaram, há vários exemplos da batalha pelo corpo, à medida que os militares britânicos exigiam cada vez mais dos seus homens para garantir a vitória.

Pesado e medido, treinado e transformado, quebrado e enterrado, a guerra viu o corpo humano ser empurrado além da resistência à medida que soldados britânicos combateram em campanhas intermináveis em condições intoleráveis e clima terrível. Muitos voltaram para casa mutilados, em estado de choque, mudos ou gravemente incapacitados, e alguns nem voltaram. É por meio destas histórias de experiências físicas que os historiadores podem tentar compreender como era realmente a existência para os soldados da Primeira Guerra Mundial.