Logo paivense
Logo paivense

Fóssil de planta sugere que as flores surgiram 50 milhões de anos antes do que se pensava

Uma equipa internacional de paleontólogos identificou e descreveu um novo género e espécies de plantas de flores extintas (angiospermas), com base em mais de 200 espécimes.

Nomeada Nanjinganthus dendrostyla, a espécie de planta recentemente identificada remonta a mais de 174 milhões de anos atrás – época do Jurássico Antigo -, tornando-se o mais antigo registo conhecido de uma angiosperma em quase 50 milhões de anos.

De laranjas a maçãs, as angiospermas produzem a maioria das frutas e vegetais que podemos ver num supermercado. Embora possamos dar-lhes pouca atenção, a maneira como as flores surgiram tem sido um mistério intensamente debatido.

O entendimento atual, que é baseado principalmente em fósseis previamente disponíveis, é que as flores surgiram há cerca de 125 milhões de anos no período Cretáceo. Mas nem todos concordam que este é o caso. Análises genéticas, por exemplo, sugerem que as plantas com flores são muito mais antigas. Outro elemento intrigante é que as flores pareciam ter surgido durante o Cretáceo “do nada”.

“Os investigadores não sabiam onde e como as flores surgiram porque parece que muitas flores surgiram no Cretáceo do nada”, disse o autor do estudo, Qiang Fu, do Instituto de Geologia e Paleontologia de Nanjing, China. “Estudar as fósseis de flores, especialmente aquelas de períodos geológicos anteriores, é a única maneira confiável de obter uma resposta para estas perguntas.”

Fu e os co-autores, cujo trabalho foi publicado a 18 de dezembro na revista eLife, estudaram 264 espécimes de 198 flores individuais preservadas em 34 lajes de rocha na região de Nanjing, na China, conhecida por possuir fósseis do início do Jurássico.

A abundância de amostras fósseis usadas no estudo permitiu à equipa dissecar algumas estudá-las com microscopia sofisticada, fornecendo imagens de alta resolução das flores a partir de diferentes ângulos e ampliações. Os cientistas usaram esta informação detalhada sobre a forma e estrutura das diferentes flores fósseis para reconstruir as características de Nanjinganthus dendrostyla.

A característica principal de uma angiosperma é “angio-ovuly” – a presença de óvulos completamente fechados, que são precursores de sementes antes da polinização. Descobriu-se que Nanjinganthus dendrostyla tinha um recetáculo em forma de taça e um telhado ovariano que encerravam os óvulos ou sementes.

Essa foi uma descoberta crucial, porque a presença deste recurso confirmou que a flor era uma angiosperma. “A origem das angiospermas tem sido uma dor de cabeça académica para muitos botânicos”, disse o professor Xin Wang, do Instituto Nanjing de Geologia e Paleontologia, na China.

“A nossa descoberta levou adiante o campo da botânica e permitirá uma melhor compreensão das angiospermas, o que, por sua vez, aumentará a nossa capacidade de usar e cuidar eficientemente dos recursos baseados em plantas do nosso planeta.”